Fernando Pessoa e a Cidade Face

Apesar de já falecido há 81 anos, o poeta português Fernando Pessoa, considerado um dos maiores poetas da História, falou sobre o que achava sobre as redes sociais. Como todo grande gênio, era também um visionário. Entendia muito do ser humano e narrou em seu Poema em Linha Reta o drama que é visto na cidade Face, mesmo sem nunca ter conhecido essa curiosa “cidade”. Daqui a pouco, trarei o poema para você entender melhor. Por enquanto, vamos falar sobre algo parecido com o que nosso poeta nos antecipou há quase 100 anos.

Um local onde realmente seria legal morar é na cidade Face. Você já percebeu como as pessoas lá são felizes? Todas sempre de bom humor com seus rostos preenchidos de sorrisos demasiadamente brancos, ora por clareamento odontológico, ora por clareamento no photoshop.

Além disso, nessas cidades citadas não há crise econômica e nem dificuldade financeira. Todos vivem com tantos recursos… São tantas viagens, praias e baladas que eu realmente não consigo ver cidade mais próspera em nosso planeta.

E o amor? Ah, o amor é tão intenso na cidade Face que, com certeza, se tivéssemos um pouco dele em nossas cidades, me estranharia se me dissessem que a estatística de divórcios ultrapassasse os 10% de casamentos.

Se falarmos do engajamento político e social, então? Ah, nessa cidade as pessoas não deixam passar nada em branco. Elas lutam muito pela justiça e pelo bem das pessoas, animais, plantas… Não é como Salvador, BH, São Paulo, Recife, Manaus ou Rio de Janeiro, lá na cidade Face as pessoas fazem muita passeata. Imagino que se algum dia houver a possibilidade de acabar com injustiça no mundo, esse lugar já tem face (perdoem o trocadilho infame).

Além disso, nessa cidade nunca se viu tamanho carinho por filhos, pais, irmãos e avós. Diferente de nossas cidades, em que os pais deixam de dar carinho para o filho em troca de um momento da novela, do futebol ou do celular, na cidade Face não se age assim. Lá irmãos sempre se apoiam e se apoiaram, principalmente se foi estabelecido o dia do irmão. O mesmo vale para os avós e qualquer outra espécie de parente, que em Londres, Maceió ou Bogotá nem de longe são tão valorizados quanto lá.

Se é verdade que a exceção confirma a regra, vale ressaltar que às vezes vemos alguns casos de raiva e falta de amor ou de felicidade em postagens na cidade Face. Contudo são pequenas gotas de petróleo real nesse grande oceano de fantasia.

Obrigado, mestre Pessoa por me dizer o que significa a cidade Face pra você. Segue o poema, que nosso grande poeta escreveu prevendo as postagens das pessoas na cidade Face:

 

“Poema em Linha Reta – Fernando Pessoa

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.
E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.
Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…
Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,
Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?
Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?
Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos – mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.”

 

E você, em qual cidade vive? Tem sido vil como eu e Pessoa ou tem sido campeão em tudo?

Deixe seu comentário

Seu email não será publicado. Required fields are marked *

2 comentários em “#10: Fernando Pessoa e a Cidade Face

  1. Mirian Conceicão Lourival set 21, 2016

    Parabéns, excelente reflexão.

Yang Mendes - Podcast © 2016